A Antroposofia e a Pedagogia Waldorf

Profa. Rose Oliveira

Rudolf Steiner, idealizador da Pedagogia Waldorf, nasceu em 1861 em Kraljevic (atual Croácia) e morreu em 1925. Estudou Ciências Sociais e Matemática. Aprofundou-se em temas político-sociais, Literatura e Filosofia. Foi autor e editor da primeira edição das Obras Científicas Completas de Goethe.

Assim, Steiner pode ampliar e aprofundar os estudos de Goethe, mostrando que o homem contém em si cada reino da natureza: Reino Mineral, presente no Homem nos ossos e em toda estrutura do corpo físico; Reino Vegetal, presente nos processos vitais; e o Reino Animal, presente no Homem em seus instintos e paixões. Porém, somente no Reino Humano é que existe o princípio da liberdade individual, de autoconsciência, fazendo o Homem pertencer simultaneamente a dois reinos: ao natural-físico e o ao espiritual:Igualdade, regendo a questão jurídica-legal; e Fraternidade, sendo fundamental para a atividade econômica.

 

Através de um método científico de investigação profundo e rigoroso, Steiner pesquisou os campos físico-sensível e o plano espiritual, permitindo a ele, a partir de ambos os pontos de vista, estudar o ser humano, o universo e todas as relações e inter-relações existentes com uma visão holística, global, a respeito da origem, do desenvolvimento, das metas dos seres e do mundo. A este método ele deu o nome de Antroposofia: “Caminho de desenvolvimento capaz de dar respostas rigorosas e comprováveis a todos os campos relacionados ao homem e a seu mundo.”

Screen Shot 2021-08-26 at 19.30_edited.jpg
Screen Shot 2021-08-26 at 19.31.25.png

Com base nessa concepção da vida e do ser humano, novos impulsos surgiram nas áreas de conhecimento humano como na Pedagogia, Medicina, Arquitetura, Agricultura, Arte e Movimento, Organização Social, etc.

 

Vale ressaltar que, no âmbito social, concebeu o que veio se chamar Trimembração do Organismo Social, revalorizando os impulsos da Revolução Francesa: Liberdade, que vem regendo a vida cultural espiritual; Igualdade, regendo a questão jurídica-legal; e Fraternidade, sendo fundamental para a atividade econômica.

 

“Na educação, isso significa desenvolver nas crianças as bases para um pensamento claro e preciso, isento de preconceitos e dogmas, o que leva à liberdade; sentimentos autênticos não massificados e que respeitem os demais, num marco de igualdade de direitos e obrigações, e uma capacidade vigorosa de sustentar responsavelmente a fraternidade na vida econômica do futuro”.

 

Assim, nasce a Pedagogia Waldorf, de um impulso social em meio ao caos pós 1ª. Guerra Mundial. Seguindo a ideia daTrimembração Social, sua concepção sócioantropológica, Rudolf Steiner organizou uma escola para filhos dos operários de uma fábrica de cigarros chamada Waldorf/Astória, em Stuttgard, Alemanha, a pedido do empresário Emil Molt, grande colaborador nesse movimento social.

 

Após um intenso estudo com docentes sobre Didática, Metodologia e Pedagogia nasce a proposta pedagógica Waldorf, com a primeira escola Waldorf em setembro de 1919.

Como escola livre, as escolas Waldorf tornavam real o impulso da autogestão. No Brasil, a primeira escola Waldorf nasce em 1956. Atualmente já são mais de 73, reconhecidas pela Federação das Escolas Waldorf do Brasil.

Primeiro setênio

(0 a 7 anos)

IMG-20210416-WA0078.jpg

“A natureza faz do homem um ser natural. A sociedade faz dele um ser social. Somente o homem é capaz de fazer de si um ser livre”. Na Pedagogia Waldorf o homem é concebido como uma unidade físicoanímico- espiritual. O lado anímico-espiritual como essência individual única de cada ser humano e o corpo físico instrumento/imagem desse espírito."

Na Pedagogia Waldorf o homem é concebido como uma unidade físicoanímico- espiritual. O lado anímico-espiritual como essência individual única de cada ser humano e o corpo físico instrumento/imagem desse espírito.

Esta visão considera que “o ser humano não é determinado exclusivamente pela hereditariedade e meio ambiente, mas também pela resposta que do seu interior é capaz de realizar de forma única e pessoal, a respeito das impressões que recebe; o homem ao nascer é portador de um potencial de predisposições e capacidade que lutarão para desenvolver-se ao longo da vida”.

A Pedagogia Waldorf explica e fundamenta o desenvolvimento dos seres humanos segundo princípios gerais e evolutivos denominados setênios, que apresentam momentos claramente diferenciáveis em suas necessidades, interesses, etc.

No primeiro setênio (0 - 7 anos) predomina o desenvolvimento do corpo físico, instrumento de ação. A criança manifesta-se através da volição, querer, da atividade corporal intensa, o que se metamorfoseará na fase adulta numa maior ou menor capacidade de atuar no âmbito cultural-espiritual

Screen Shot 2021-08-26 at 19.56.26.png

Segundo
setênio

(7 a 14 anos)

No segundo setênio (7 – 14 anos) predomina o desenvolvimento anímico.

 

As energias emancipadas do corpo físico se metamorfoseiam em memória, imaginação, ritmo e busca por imagens que estimulem a fantasia. As imagens falam ao mundo dos sentimentos das crianças e essas se ligam ao conteúdo apresentado por meio das mesmas.

Terceiro
setênio

(14 a 21 anos)

IMG-20181022-WA0008.jpg

Já no terceiro setênio (14 – 21 anos) o jovem entra numa relação totalmente nova com o mundo. As energias anímicas se tornam independentes. A vida se torna assunto próprio e nasce uma interrogação individual sobre tudo que existe. As forças anímicas, liberadas do sentir, despertam o pleno desenvolvimento das forças do pensar lógico, analítico e sintético.

Assim, a Pedagogia Waldorf, fundamentada no conhecimento profundo das características evolutivas e no conhecimento da conquista da consciência, procura promover e facilitar a prática pedagógica em cada fase do ser humano, para que, de fato, a aprendizagem estabeleça uma relação harmônica com o desenvolvimento, adquirindo um caráter significativo. Todo esse processo não estaria completo sem a consciência do professor em estar em busca de envolvimento com a Pedagogia e a Antroposofia, para que seu desenvolvimento e crescimento ocorram paralelamente aos dos alunos, servindo como exemplo para os mesmos. Pois educa plenamente somente aquele que, através de uma autoeducação, transforma a si mesmo.